21 maio, 2007

Flávio Guimarães - Navegaita

No último post publiquei um vídeo sobre Robert Johnson que contava toda sua trajetória, numa música tocada com violão e gaita. Recebi alguns comentários sobre a autoria de tal canção e como não sabia, resolvi fazer uma busca. Essa música se chama "Balada de Robert Johnson" e é a sexta faixa do disco "Navegaita" de Flávio Guimarães, que a toca juntamente com o violeiro e repentista Sebastião da Silva, e foi escrita pelo poeta Bráulio Tavares, que define Robert como "cantador de outro sertão".

Segue a resenha retirada do site oficial de Flávio Guimarães:


Este CD é fruto de uma longa trajetória geográfica e musical : do Sul dos Estados Unidos ao Nordeste brasileiro , passando de raspão pelo Caribe e desembocando por fim no Rio de Janeiro.

O terceiro álbum do gaitista Flávio Guimarães , produzido entre julho de 2000 e maio de 2002, foi gravado nas cidades de Recife , São Paulo , Rio e Amsterdam . Na maior parte do disco , o músico conta com o apoio da banda que o vem acompanhando na estrada : Danny Vincent nas guitarras , Silvio Alemão no baixo e Mario Fabre na bateria. Flávio fez novos arranjos para "Estrela da Noite", de Jorge Mautner e "Menina Mulher da Pele Preta", de Jorge Benjor. Nas duas e nas originais "Não Pára" e "Mãe dos Vícios", ele assume os vocais , respaldado pelas vozes femininas de Cidália e da parceira Andrea Paola.

Flávio Guimarães , que já havia lançado Little Blues , em 1995 e On The Loose , em 2000 , foi além do formato do blues tradicional , indo em direção à musica brasileira. No dueto A Formiga e a Saúva com o "tocador de realejo" Tavares da Gaita , de Caruaru , presenciamos duas culturas, duas histórias, duas respirações diferentes entrelaçando-se musicalmente como se as duas se conhecessem desde nascidas. O virtuosismo do artista se faz presente em faixas instrumentais como Cão Comendo Mariola , Pinote , sua gaita dialoga em Maracagroove com percussões de maracatu de Pernambuco, em Caba Véi com clarineta, em S Dobrado com berimbau, e em Boomerang com didgeridoo e atabaque. Em encontros desse tipo, Flávio Guimarães se afasta das raízes do blues e estabelece um confronto onde a gaita conduz e deixa-se conduzir por outras regiões de ritmos e timbres. Trata-se menos de ultrapassar fronteiras nacionais do que estabelecer (ou revelar) laços entre formas de fazer música que têm histórias parecidas, mesmo tendo geografias diferentes.

Reunir um ícone do repente , como Sebastião da Silva e o poeta Bráulio Tavares para contar a história da vida de Robert Johnson comprova a universalidade e proximidade do blues e do repente. O berimbau de Chocolate , o didgeridoo aborígene de Nemo , a clarineta de Paulo Moura e a presença do também gaitista norte-americano Howard Levy , além de um time de músicos de primeira comprovam o talento de Flávio Guimarães como produtor e arregimentador. Composições próprias e arranjos originais expõe um lado pouco conhecido desse instrumentista , que já deu o ar de sua gaita em gravações de artistas como Zeca Baleiro , Ed Motta , Titãs , Cássia Eller , Zélia Duncan , Gabriel o Pensador , Fernanda Abreu e Rita Lee , além do grupo Blues Etílicos, onde se projetou.


Para download:


Flávio Guimarães - Nevagaita











*Retirado do blog Som Barato.

5 comentários:

Renata Braga disse...

Já que o assunto é blues carioca, vc tem algo sobre o Big Allambik? Banda que fez muito sucesso por aqui no fim dos anos 90, inicio da decada de 2000.
Obrigada!!!

Little Thin Jones disse...

Olá Renata. Não tenho nada sobre Big Alambik. Apesar de apreciar muito o blues nacional, o foco do blog é no blues clássico, feito entre as décadas de 20 e 50. Coloquei o disco do Flávio para sanar a dúvida de algumas pessoas em relação à música tocada no vídeo sobre Robert Johnson.
Visite o site Blues Masters, que meu amigo Marcus sempre coloca algo sobre bandas nacionais.

Obrigado pela visita!

Renata Braga disse...

Mais uma vez ...Obrigada!

Anônimo disse...

Atenção! O link do Mediafire foi removido, rapaziada. Que tal aquele "repost' nuevo, hã? Obrigado.

Anônimo disse...

Cara, tô ouvindo Balada de Robert Johnson no Youtube... fiquei arrepiado. É uma coisa que sempre pensei: blues e música de raiz brasileira. Há uma viola caipira aí nessa música? Tem alguma coisa nesse sentido: blues e música sertaneja de raiz? Outra: onde e como posso adquirir esse cd?
Abç
Hélio